<BODY>
14.11.05

GREVE

corre-corre, zum-zum-zum, teleco-teleco e oba-lá-lá.

Na porta do apartamento, fotógrafos, jornalistas, câmeras, estagiários colocando paletó e gravata, enquanto da cintura pra baixo estavam de calças jeans rasgada. Os vizinhos corriam, as crianças se enfiavam por baixo das pernas dos outros pra saber das notícias e enviavam mensagens pros celulares das mães, que pudessem passar embaixo das pernas alheias passariam sem pestanejar.

****************

"Que diabos aconteceu, pois a mocinha não sempre foi calada e quieta?" "Usava mangas três quartos mesmo em dia de sol, e às vezes botava uns decotes em dia de chuva." "Durante a semana, esquecia de pentear o cabelo e embolava ele com um lápis, mas no fim de semana passava creme e ficava sentada no computador de touquinha prateada - bem do lado da janela, pra todo mundo ver que ela tava de touca, pessoal exibido."

Sempre foi quieta, mas os meninos do bloco da frente disseram que às vezes ela botava o computador pra tocar umas músicas esquisitas e ficava pulando e rodando pela casa. "Que música?" Ninguém sabe, ela nunca foi de aumentar o volume.Uma vez só, colocou o volume no máximo, e ficou cantando junto que nem uma possessa, mas era tango - e você já viu alguém escutar tango? Tango é coisa que toca em filme, a gente não fica ouvindo em casa. Ficava cantando uma enrolação de "der de quê cê fuê nunca más volvió"...mas foi só uma vez. Em casa a gente ouve rádio, ou então os meninos escutam os cd´s deles, desses tatuados cheios de furos. Não, o cd não é furado, é o cantor que é. A mãe dela todo mundo conhece e gosta, não é a dona que vende Avon? E vende barato, menino, coisa que aquela perua da rua de baixo vende a trinta reais a dona vende por treze. Coisa esquisita é que a mocinha não passa maquiagem pra trabalhar. A mãe sai cheirosa, de bolsa e salto e batom e perfume e farda, e a menina sai de sandália e lápis no cabelo e jeans e as blusas de manga três quartos dela, uma mochila verde pavorosa, a cara pálida que daqui da minha janela a gente só vê as sobrancelhas, grossas que parecem desenhadas com carvão. Elas descem a escada de braço dado, e a gente ouve elas descendo -polóc-polóc-polóc - todo dia, mesmo horário.

**********************

Um grito sai do apartamento, e todos os microfones se esforçam para captar algo, qualquer coisa.

- NÃO ENCONTRO! NÃO ENCONTRO!

"O quê? O quê?" Todos querem saber, as crianças correm para as casas, fazendo o relatório: "ela disse que não encontra!" O quê, menino? "Não sei, só disse que não encontra."

************

Ora, vá olhar melhor e trazer informação que preste! E essa agora, o que ela pode querer encontrar? Será que esse escarcéu todo é porque perdeu uma bobagem? Sei lá o que isso pode ser. Parece ser tão quietinha, e agora um negócio desse, né? Se bem que quietinha, ela não era não, viu? Quase todo fim de semana, ela sai e só volta depois das quatro da manhã. E depois que chega, não vai direto pra casa, fica uma hora, duas horas conversando e rindo, estacionada bem embaixo da minha janela. Deus me livre espionar a vida dos outros, mas é no mínimo esquisito, uma moça e um rapaz ficarem sozinhos num estacionamento, alta madrugada. Ainda mais sendo homem bonito. Eu sei porque os meus meninos viram, estavam lá embaixo e viram, ele e ela com os pés fora da janela, falando sobre sei-lá-quê de pontocom, meus meninos não são de bisbilhotar não, mas se ela chega às quatro da manhã e só sobe às cinco e meia, a gente estranha, não é mesmo?
E mesmo chegando nesses horários, sábado e domingo de manhã ela sai cedinho, e volta meio dia, eu vejo porque estou acendendo a churrasqueira e ela passa, fala bom dia e vai andando, sobe a escada dando pulinhos e anda rodando, e desde quando gente normal anda e roda, gente? Ela anda, dá um pulinho, roda num pé só e continua andando, falando sozinha umas coisas que ninguém entende.

************

De dentro do apartamento, risadas altas. Duas mulheres rindo muito, de algo que deve ser muito engraçado. Os jornalistas anotam em seus bloquinhos. Um dos estagiários olha no relógio e estranha - não está na hora do Zorra Total...nem da propaganda política. Pra quê tanta gargalhada?

**********

Às vezes ela sai com a mãe, e as duas sempre de braço dado, e descem a escada - polóc-polóc-polóc - e ficam brincando de basquete com o saco de lixo. Quando erram, ficam rindo rindo rindo, duas lavadeiras dando risada, de fechar os olhos e tudo. A mocinha nunca quis jogar vôlei com os outros jovens daqui, fica olhando da sacada, com uma carinha de quem nem tá olhando o jogo, tá olhando pro céu ou pra outro lugar, mas ela tem vinte anos, só pode estar olhando pro jogo e pros meninos.
E misericórdia, às vezes ela fica andando sem roupa pela casa, ou então só de camisa Hering, vê se pode tanta indecência. E a gente só não vê mais indecência porque as duas encheram a casa de cortina, pura safadeza, gente de bem não precisa botar cortina em casa porque não fica andando sem roupa.

************

A mocinha abre a porta do apartamento. Todos os jornalistas se esticam na tentativa de ver, ouvir, entender o porque da greve declarada por alguém tão normal e tão cheia de ritualísticas misteriosas.

- O que vocês querem? Tudo isso é por causa da greve?


Estouro de flashs.

- Pois avisem pra quem puder que a greve começou, e vai continuar até quando me der na telha. Enquanto isso, eu só escuto Pedaço de Mim, só leio Leminski e não posto no blog. Tudo bem?
- Mas qual o motivo da greve?

Ela para e olha pra longe por uns segundos.

- Eu quero dançar. E o meu partner de dança tá muito longe.
- Porque a senhorita não dança sozinha então?
- Ninguém dança tango sozinho. E se vocês, jornalistas,não têm sensibilidade pra entender uma metáfora, deviam tentar outra carreira.
- Mas não seria possível dar mais esclarec...
- Saudade dói, senhor fotógrafo. Dói tanto que eu não consigo escrever. Se melhorar, eu volto. Se não, já sabe: Buarque, Leminski e greve.


Menina Prodígio se aventurou aqui às 12:23 PM


----------------------

Comments: Postar um comentário

Este é o blog de alguém que tem vinte e um anos, gosta de ler, gosta de que sua vida seja um livro aberto e gosta de gostar. E falta um ano pra receber um canudo.

Todo dia uma aventura nova. Toda semana uma odisséia. De vez em quando uma atualização


Gostos:

*Cheiro de Fanta Morango* *Sabor de hortelã* *Lençol acetinado* *Violão* *Bolero* *Lua cheia* *Teatro* *Bossa Nova* *Clube da Esquina* *Massagem com óleo Johnson's* *Conjectura de Poincaré* *Beijo no pescoço* *Abacaxi geladinho* *Falar sem parar*



Aventuras em grupo


Sotaques, um blog globalizado
O melhor blog da Internet Galáctica

Blogs

Licor de Marula com flocos de milho açucarados
Alma em Punho
Apostos
appothekaryum
\o/Bloggette
Balde de Gelo
Blog de papel
Cala a boca, que eu tô falando!
Catarro
Oh, Bravo Figaro!
Cartas Curtas
O Coyote é Físico teórico! [E tem cara de artista]
Cumequié?
Copy and Paste
Drops da Fal
Não gostou? Vem me pegar!
Mau humor, mentiras e fé patológica
Mad Tea Party
Pensar Enlouquece, pense nisso.
Blog de Gestão
Gravataí Merengue
Caryorker
O biscoito fino e a massa
John Doe - Juventude, sobriedade e poesia
Jesus, me chicoteia!
Louca por blog? É a mãe! A margarida Inventada
Marmota, mais dos mesmos...
Megeras Magérrimas
Não discuto, por Ticcia Antoniette
Nóvoa em folha
Luabella e suas fases
Liberal, Libertário, Libertino
poliCARPE DI EMili
O estupendo Poeta Matemático [Trinomial e o escambau]
Menina Mateira que não posta nunca
Madame Mean

Sites

Cocadaboa
Malvados
Omelete
Embarque


Frase que fez clique

"Brilhar pra sempre,
brilhar como um farol,
brilhar com brilho eterno,
gente é pra brilhar,
que tudo mais vá pro inferno,
este é o meu slogan
e o do sol."
Wladimir Maiakóvski
Fonte: Anvörg


Arquivos


Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Powered by Blogger