<BODY>
8.8.06

Janeiro de 2005

"Longe, num lugar ainda sem nome, havia uma pobre família desfeita. E era uma vez uma menina chamada Maria..." Laura Cardoso narrando.

Aparece Fernanda Montenegro acompanhada de uma garotinha gorda. Elas atravessam uma plantação marrom/bege/cor de terra, penalizadas com a situação do terreno. Fernanda comenta: "Ah, mais aqui era tudo uma verdura, uma fartura sem fim...Que pena, o homem deu de beber...E a menina é tão novinha, que pena, que pena...que desgraceira..."

E entra em cena Maria. Ela brinca com patinhos de madeira, e toca a música que ganhou meu coração pra sempre "Que lindos olhos, que lindos olhos tem você/ que ainda hoje, que ainda hoje arreparei.../Se reparasse, se reparasse há mais tempo/ eu não amava, eu não amava quem amei..."

O Pai de Maria (Osmar Prado), a chama pra dentro de casa. Bêbado (como centenas de outros pais e mães). Maria atende, e passa um café para ele se curar da bebedeira. Lembram-se da mãe de Maria, que morreu pois o sol queimou sua pele muita branca, e os irmãos se espalharam por conta da seca. Por um momento, o pai tenta abusar de Maria, que sai correndo, deixando o pai arrependido e choroso em casa.

Maria encontra-se com Fernanda Montenegro, que lhe oferece um favo de mel e convence Maria a arranjar o casamento dela com o Pai. E, conforme dito pelo próprio Pai: "Se ela te deu mel, agora vai te dar o fel!"

O pai de Maria sai de casa, para conseguir empréstimo no banco. Maria rega sua rosa amarela (símbolo de saudade, pelo que aprendi) e canta:"Olha a rosa amarela, Rosa/Tão bonita e tão bela,Rosa/ Me dá meu lenço, ô Iaiá/ para me enxugar, ô Iaiá/que essa despedida, ô Iaiá/já me faz chorar..." A Madrasta vira uma peste na vida de Maria, que assume todo o trabalho de casa e não tem mais ânimo nem pra brincar, chorando de cansaço à beira do riachinho. E é aí que vê sua protetora Nossa Senhora ("Ai, minha santinha venerada, me leva pra longe daqui!"). A santa (que, não por coincidência, é a cara da mãe da menina) diz para Maria ter paciência, pois "o que há de ser tem muita força e todo mundo tem seu dia. Logo vai chegar o seu." [Tenho acreditado sistematicamente nisso.]

A Madrasta arranja mais uma tarefa difícil: espantar os passarinhos com uma vara, para que eles não biquem as frutas de uma árvore. Antes de sair de casa, Maria reza e acende uma vela, dizendo para a santa: "Essa luzinha é a minha alminha, que entrego pra minha santinha." Maria tenta espantá-los, mas os passarinhos são tantos...(E maravilhosamente feitos com computação gráfica.) A Madrasta, por maldade, apaga a vela e Maria cai. Sobre ela, cresce um capinzal que canta quando o vento passa: "Meu querido, meu pai/não me cortes os cabelos/minha mãe me penteou/minha madrasta me enterrou/pelo figo da figueira/que o passarim bicou..." [Meu pai contou essa história do capim pra mim!]

O pai de Maria volta, e descobre a maldade da Madrasta. Desenterra Maria do capinzal [é aflitivo ver a menina enterrada], mas a menina decide fugir de casa para não ser mais maltratada, e buscar o que sua mãe lhe disse quando era menor: que perto das franjas do mar ela ia encontrar um tesouro, que só podia ser aberto através da chavinha que Maria carrega consigo. O Pai vai atrás, deixando a Madrasta com sua filha comilona.

Maria bota o pé na estrada, e a voz de Laura Cardoso volta:
"Entonce, de maneiras que foi ansim
por esta forma:
Maria ganhô estrada,
envergou caminhada
sem querê ver fim.
Mai, vigia,
que ela num sabia
nem da terra do sol a pino,
que secava bicho, home e menino.
Mai fecha as janela do zóio, dorme e sonha.
Que a noite seja risonha
e amanhã a gente continua,
quando cair o sol, arribar a noite e suspender a lua. Inté!"

E eu, no sofá de casa, fico com os olhos arregalados, trêmula por conta do que Monteiro Lobato chamou de vertigem da beleza. Lindo de dar com pau em cima. Lindo de encantar. Lindo de rir e chorar. Lindo de deixar saudade.

E esse foi só o primeiro capítulo... Nem contei pra vocês ainda que, depois, ela cresce e se apaixona por um homem que é pássaro durante o dia e Rodrigo Santoro durante a noite... E que quando eles se despedem, ele pergunta: "Você me espera até amanhã?" e ela responde: "Esperava mesmo que um dia fosse igual a um ano..."

E nem contei que, no capítulo em que prendem o Rodrigo Pássaro Santoro numa gaiola, ele e ela cantam em dueto "Melodia Sentimental", letra de Dora Vasconcelos e música de...Villa-Lobos.

Acorda, vem ver a lua!
Que dorme na noite escura,
Que surge tão bela e branca
Derramando doçura...
Clara chama silente
Ardendo meu sonhar.
As asas da noite que surgem
E correm o espaço profundo...
Oh, doce amada, desperta
Vem dar teu calor ao luar!
Quisera saber-te minha
Na hora serena e calma...
A sombra confia ao vento
O limite da espera
Quando dentro da noite
Reclama o teu amor
Acorda, vem olhar a lua!
Que dorme na noite escura...
Querida, és linda e meiga,
Sentir meu amor e sonhar...

E depois que a música termina, eu tive febre e não pude dormir a noite inteira. Fiquei com vergonha de dizer pra mamãe que a culpa era do Rodrigo Santoro.


Ai, ai. Me resta comprar o livro ou esperar pelo DVD...

Para saber mais:


E hoje foi dia de Maria, excelente resumo crítico da primeira fase da minissérie.

Crítica: Hoje é dia de Maria- Segunda Jornada - Outro ótimo resumo, desta vez da segunda fase. Concordo com TUDO o que está escrito - a cena de Letícia Sabatella como Asmodéia também me constrangeu, por ser longa, inútil e agressiva. Tomara que cortem no DVD, tomara.

"Hoje é dia de Maria" - Marcelo Maroldi registra impressões, pensamentos e outras coisas mais sobre a série, no necessário Digestivo Cultural.


Menina Prodígio se aventurou aqui às 2:07 PM


----------------------

Comments: Postar um comentário

Este é o blog de alguém que tem vinte e um anos, gosta de ler, gosta de que sua vida seja um livro aberto e gosta de gostar. E falta um ano pra receber um canudo.

Todo dia uma aventura nova. Toda semana uma odisséia. De vez em quando uma atualização


Gostos:

*Cheiro de Fanta Morango* *Sabor de hortelã* *Lençol acetinado* *Violão* *Bolero* *Lua cheia* *Teatro* *Bossa Nova* *Clube da Esquina* *Massagem com óleo Johnson's* *Conjectura de Poincaré* *Beijo no pescoço* *Abacaxi geladinho* *Falar sem parar*



Aventuras em grupo


Sotaques, um blog globalizado
O melhor blog da Internet Galáctica

Blogs

Licor de Marula com flocos de milho açucarados
Alma em Punho
Apostos
appothekaryum
\o/Bloggette
Balde de Gelo
Blog de papel
Cala a boca, que eu tô falando!
Catarro
Oh, Bravo Figaro!
Cartas Curtas
O Coyote é Físico teórico! [E tem cara de artista]
Cumequié?
Copy and Paste
Drops da Fal
Não gostou? Vem me pegar!
Mau humor, mentiras e fé patológica
Mad Tea Party
Pensar Enlouquece, pense nisso.
Blog de Gestão
Gravataí Merengue
Caryorker
O biscoito fino e a massa
John Doe - Juventude, sobriedade e poesia
Jesus, me chicoteia!
Louca por blog? É a mãe! A margarida Inventada
Marmota, mais dos mesmos...
Megeras Magérrimas
Não discuto, por Ticcia Antoniette
Nóvoa em folha
Luabella e suas fases
Liberal, Libertário, Libertino
poliCARPE DI EMili
O estupendo Poeta Matemático [Trinomial e o escambau]
Menina Mateira que não posta nunca
Madame Mean

Sites

Cocadaboa
Malvados
Omelete
Embarque


Frase que fez clique

"Brilhar pra sempre,
brilhar como um farol,
brilhar com brilho eterno,
gente é pra brilhar,
que tudo mais vá pro inferno,
este é o meu slogan
e o do sol."
Wladimir Maiakóvski
Fonte: Anvörg


Arquivos


Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Powered by Blogger